Linhas

1) Linha de Pesquisa Educação, Currículo e Ensino (LECE)

Estuda os aspectos filosóficos, históricos, sócio-antropológicos, organizacionais e metodológicos do currículo, ensino e formação docente no âmbito das ciências humanas, exatas e da natureza, incluindo a análise do processo de implantação e utilização de novas tecnologias na educação. Essa linha de apresenta os seguintes eixos temáticos: Aprendiz, Docência e Escola – Investiga as relações entre os aspectos sociais e a constituição do aprendiz, da docência e seus diversos saberes, e de espaços-tempos educacionais; Currículo – investiga o currículo nas diversas áreas do conhecimento numa perspectiva interdisciplinar e multirreferencial e dos estudos da linguagem (leitura, escrita e tradições literárias). Ensino de Matemática – investiga o desenvolvimento do raciocínio matemático; Tecnologias Digitais na Educação – inclui o ensino assistido por computador e abordagem de problemas frente ao uso das tecnologias da informação; Ensino de Ciências – promove a pesquisa em temas relacionados à educação científica, currículos e teorias curriculares e interdisciplinaridade; fundamentos epistemológicos e históricos das ciências naturais e ensino de ciências. Ensino de Música – Estudo das possibilidades do exercício sonoro-musical em contextos de formação humana, bem como da música e seu ensino no cenário contemporâneo a partir de reflexões históricas, sociais, econômicas, filosóficas e políticas. Formação de Professores – Os estudos neste eixo têm a epistemologia da prática como referência de formação docente para uma práxis educacional intersubjetiva, crítica e transformadora.

2) Linha de Pesquisa Movimentos Sociais, Educação Popular e Escola (MOSEP)

Estudo das diferentes formas de educação que se relacionam com os movimentos sociais, em particular com a Educação Popular de inspiração freireana. Envolve estudos que mediam a fronteira da educação formal e novas epistemologias emergentes, bem como temas próprios à contemporaneidade, tais como: Educação do Campo; Educação Ambiental; Novos Paradigmas Educativos; Educação e Espiritualidade; Educação e Cultura de Paz; Arte e Educação; Educação, Africanidade e Afrodescendência; Jovens na Escola, Família e Sociedade no Campo e na Cidade; Etnia, Cultura, Subjetividade e Gênero. A linha ainda oferece subsídios importantes para os debates contemporâneos que envolvem os estudos interculturais, colonialidade/descolonialidade, diálogos acerca dos novos paradigmas epistemológicos e suas influências nos processos educativos.

3) Linha de Pesquisa de História e Memória da Educação (NHIME)

Trata da história das instituições e reformas escolares, biografias, ideias, práticas e políticas educacionais; a delimitação temporal e espacial desses estudos vai do passado recente à recuperação histórica dos processos de intervenção governamental e experiências sociais, no campo educacional, no Brasil e no Ceará, apoiado em arquivos públicos e privados, documentos oficiais, fontes jornalísticas e iconográficas, bem como, fontes orais. A linha realiza, desde 2002, o Encontro Cearense de Historiadores da Educação, que tem reunido, a cada ano, centenas de participantes, com caráter itinerante, que o desloca para o interior do Ceará, em função do valor histórico dessas localidades, favorecendo a criação de uma rede interinstitucional de investigação no âmbito da história e memória educacional. A linha coordena a coleção ‘Diálogos Intempestivos’, nas Edições UFC, que apresenta mais de uma centena de títulos científicos publicados.

4) Linha de Pesquisa Trabalho e Educação (LTE)

Estuda as questões relativas as transformações operadas no mundo do trabalho face a reestruturação produtiva e suas implicações para a formação do trabalhador. Tem aberto a possibilidade de estudos e pesquisas com base no aprofundamento da ontologia marxiana, na contribuição de Gramsci e de Luckács e o dialogo com intelectuais marxistas contemporâneos que analisam a crise educacional inserida na crise mais geral da sociabilidade capitalista. É uma área de grande interesse de profissionais da área de Economia, Sociologia e Educação, oriundos de diversas instituições públicas cearenses, atraídos pela importância da discussão teórica e horizonte investigativo que propicia. A linha desenvolve projetos de pesquisa sobre a política educacional vigente, a análise da reforma do Ensino Médio na sua relação com a Política de Formação Profissional e análise da reestruturação do ensino superior. A linha tem promovido a realização de encontros Estaduais envolvendo renomados pesquisadores regionais e nacionais na área de educação, atraindo ampla participação de profissionais da educação e de estudantes universitários do estado.

5) Linha de Pesquisa Desenvolvimento, Linguagem e Educação da Criança (LIDELEC)

Com enfoque psicogenético e cultural, volta-se para a investigação de questões relativas ao processo de desenvolvimento da criança nos ambientes educativos. Educação infantil – envolve os diferentes aspectos do desenvolvimento, com interesse especial pelo processo de aquisição da linguagem oral e escrita, visando compreender a evolução conceitual da criança, a formação de professores e a intervenção pedagógica. Há ainda preocupação com a educação para a diversidade, a partir do universo lúdico e cultural do desenvolvimento infantil, e incorpora a Educação Especial, voltada para estudos sobre o desenvolvimento e a aprendizagem da criança com necessidades educativas especiais.

6) Linha de Pesquisa Avaliação Educacional (NAVE)

Esta linha de pesquisa envolve uma preocupação com os fundamentos e práticas de avaliação, que se articulam com três áreas temáticas: Avaliação da Aprendizagem, Avaliação de Instituições escolares e Avaliação de Políticas públicas. Investiga o desenvolvimento e/ou criação de modelos em avaliação e instrumentos de medidas para uso em sala de aula, em projetos e em sistemas educacionais, comportando projetos de investigação sobre os procedimentos de avaliação do ensino fundamental e médio, programas especiais de avaliação institucional, objetivando, em particular, contribuir para a definição e ampliação de instrumentos capazes de avaliar o desempenho das instituições de ensino superior; ocupa-se ainda, com a concepção de estratégias de acompanhamento de políticas sociais de espectro mais amplo.

7) Linha de Pesquisa Filosofia e Sociologia da Educação (FILOS)

Esta linha têm por objetivo discutir temas relacionados à educação, sobretudo à educação brasileira, a partir de uma variada gama de perspectivas teóricas no âmbito da filosofia e da sociologia. Nesse sentido, a linha se subdivide nos seguintes eixos temáticos: ‘Economia Política, Sociabilidade e Educação’ – Este eixo tem o Materialismo Histórico como enfoque fundamental, a Dialética como referencial epistemológico e metodológico, e a Economia Política Crítica como conteúdo analítico unificador dos diversos aspectos da realidade social plural e complexa com a qual se articula o sub-complexo educativo. Conta com o Laboratório de Estudos do Trabalho e Qualificação Profissional, o LABOR. O Labor mantêm uma revista eletrônica (www.revistalabor.ufc.br), e coordena uma coleção editorial de livros e coletâneas nas Edições UFC. O Eixo ‘Filosofias da Diferença, Antropologia e Educação’, promove estudos e pesquisas acerca das implicações da educação tanto com as novas formas de governabilidade e regulamentação biopolítica dos indivíduos e coletividades quanto com as novas expressões de resistência às mesmas, a partir do pensamento da diferença e do aporte sócio-antropológico. O Eixo de Pesquisas de ‘Filosofia, Política e Educação’ traz temáticas que se relacionam ao Marxismo, às correntes neo-marxistas, à filosofia política e à educação. O Grupo mantém um encontro anual aberto que já se tornou referência regional na área de Filosofia da Educação.

8) A Linha de Pesquisa Marxismo, Educação e Luta de Classes

Pretende aprofundar a investigação do trabalho como fundamento ontológico do processo de reprodução social (Marx, Lukács), permitindo o tratamento do complexo educacional numa perspectiva histórica, de forma a recuperar as conexões ontológicas entre a sociedade capitalista e a proposta de educação emancipadora. A linha assume como marca investigativa a análise radical e contextualizada dos fenômenos sócio-pedagógicos, ancorada na crítica marxista. A linha mantém relação com o Instituto de Estudos e Pesquisas do Movimento Operário – IMO, da Universidade Estadual do Ceará. A linha edita a revista eletrônica Arma da Crítica. A linha organiza-se em dois eixos: ‘A relação teoria-prática e o problema da transição socialista’, que objetiva contribuir por meio da reflexão teórica para a luta dos trabalhadores com vistas à superação do capitalismo e à construção do socialismo, enfatizando o lugar da educação e da política no contexto da luta de classes. O segundo é o Eixo ‘Ontologia marxiana e educação’ que trata da dimensão ontológico-histórica da educação, articulada à crise do capital. Objetiva, ainda, investigar a política educacional determinada pelos Instrumentos Internacionais da Educação, adotando a análise sobre a formação docente na perspectiva da crítica marxista à pós-modernidade.

9) Linha de Pesquisas História e Educação Comparada (LHEC)

A abertura desta linha se deve à adoção de uma abordagem nova de História da Educação, em perspectiva sócio-histórica e internacional. Pretende aprofundar algumas temáticas afetas à História da Educação Brasileira, tendo em vista o estabelecimento de vínculos mais estreitos com as Histórias nacionais de educação de vários outros países, de quem temos recebido forte influência ou com quem reconhecemos ligações históricas e culturais; seja por meio da circulação de ideias pedagógicas, seja dos modelos políticos de organização dos sistemas escolares nacionais. A LHEC envolve abordagem multidisciplinar e dimensão internacional, organizada em dois eixos de investigação: 1) Instituições, Ciências e Práticas educativas; 2) Família, Sexualidade e Educação. O primeiro eixo enfatiza estudos internacionais, através do estabelecimento de vínculos mais estreitos com as histórias nacionais de educação de vários outros países. O segundo eixo está orientado para uma perspectiva psicossocial, genealógica, cultural, internacional e contemporânea. Apoia-se em novas tendências de constituição metodológica da História da Educação, sob a influência da Sociologia, da Psicologia e da Antropologia. Justifica-se pela necessidade estratégica de suprir uma lacuna na formação específica de docentes para atender aos desafios da crise da escola e das novas demandas do contexto educacional atual, onde a relação família-escola aparece como desafio essencial.